Polêmico, mas ainda muito usado nos lares brasileiros, o andador para bebês parece ser uma boa opção para incentivar os pequenos a darem seus primeiros passos e a ganharem mais liberdade. Porém, não é bem isso que alguns especialistas pensam. Descubra neste post tudo o que você precisa saber sobre os andadores!

Recomendações de pediatras

A Sociedade Brasileira de Pediatria é bem assertiva quanto ao uso de andadores para bebês: eles são prejudiciais e desnecessários. Isso porque eles facilitam o acesso a tomadas e a objetos perigosos. Além disso, o peso da cabeça das crianças entre 8 e 12 meses é maior que o do corpo, o que pode levar a acidentes.

No Canadá, por exemplo, a venda e o uso de andador são proibidos desde 2007, devido aos diversos riscos constatados. O governo canadense chegou a pedir que todos os andadores fossem destruídos.

O uso de andador, mesmo com a supervisão de um adulto, aumenta o risco de acidentes domésticos com as crianças. Outro risco é a posição em que o bebê fica, que pode prejudicar a coluna, o pescoço e as articulações.

Tudo isso somado ao peso desproporcional da cabeça dos bebês pode ocasionar desequilíbrios e quedas, mesmo nos modelos considerados mais seguros.

Apesar de o andador poder dar mais liberdade para a criança e proporcionar alguns momentos de distração para o bebê, ele pode acabar sendo mais prejudicial do que se imagina.

Alguns estudos indicam que a posição de suspensão prolongada no andador pode gerar o efeito inverso do esperado, com o enfraquecimento dos músculos que ajudam o bebê a andar. Por isso, os especialistas recomendam evitar o uso e confiar na natureza, já que todo ser humano é capaz de aprender a andar sem a intervenção de objetos.

Eventualmente, a criança aprenderá a andar e terá a liberdade de que precisa, não sendo necessário acelerar essa parte do desenvolvimento.

Outras atividades para desenvolver o bebê

Para ajudar seu bebê a se desenvolver, é interessante que você faça atividades com ele para incentivá-lo a andar. Promova brincadeiras em que ele precise ficar em pé (caso já consiga) ou dar pequenos passos.

Se o seu filho parece confortável demais em apenas engatinhar, crie brincadeiras nas quais ele precise pegar algo no alto e caminhar um pouco. Outra boa forma de incentivá-lo a andar é dar voltas segurando as mãozinhas dele. Isso ajuda a fortalecer os músculos do bebê, que vai ganhar mais confiança para dar seus próprios passos.

Lembre-se de que cada criança tem seu próprio tempo de desenvolvimento. Não adianta tentar acelerar os processos nem se frustrar caso seu filho esteja “demorando” a andar.

E, principalmente, evite comparações! Alguns bebês começam a andar com 10 meses, outros com 18. Se o bebê está saudável e não apresenta nenhuma dificuldade evidente no desenvolvimento das funções motoras, então não há motivo para preocupação.

Apesar de ser muito usado no Brasil, o andador para bebês pode se mostrar uma verdadeira armadilha, contribuindo pouco para o desenvolvimento dos pequenos e aumentando o risco de acidentes. Portanto, confie na natureza e deixe que seu bebê aprenda sozinho, com um pouco de ajuda e muito carinho.

Agora que você já sabe tudo sobre andador para bebês, compartilhe este post nas suas redes sociais e faça com que outras pessoas também tenham esse conhecimento!