A obesidade infantil é determinada quando a criança está muito acima do peso indicado para sua altura e idade. Normalmente adquirida por maus hábitos alimentares somados ao sedentarismo, o problema, que era exclusivo de adultos, hoje em dia atinge uma a cada três crianças no Brasil, de acordo com os dados do IBGE.

A obesidade infantil é uma condição séria e que merece muita atenção. Por isso, continue a leitura e entenda quais as causas e consequências dessa epidemia.

O que causa a obesidade infantil?

Devido ao aleitamento materno, a obesidade infantil pode ter suas causas determinadas logo nos primeiros meses e anos de vida. Há estudos que apontam uma forte relação entre um curto tempo de amamentação e o desenvolvimento da obesidade. Ou seja, quanto mais tempo se estender o aleitamento materno, menores são as chances de a criança desenvolver obesidade infantil.

Além disso, o problema pode ser causado por vários outros fatores, como distúrbios alimentares, sedentarismo, consumo excessivo de açúcares e alimentos industrializados, lanches feitos em excesso, falta de consumo de frutas e verduras que possuem nutrientes essenciais e até mesmo uma relação familiar conturbada.

A hereditariedade do problema também é um grande culpado pela obesidade infantil. Ou seja, é possível que a criança herde genes dos pais que levem a um desenvolvimento e distribuição anormais da gordura no corpo. Filhos de pais obesos têm de 60% a 80% a mais de chances de também sofrerem com o problema. Se apenas um dos pais é obeso, o risco diminui para 40%; e se ambos os pais tiverem peso normal, ainda restam 15% de probabilidade de a criança herdar esses genes.

Há ainda  a decorrência de alguma condição médica, como síndromese doenças hormonais, ou o uso de medicamentos à base de corticoides. A combinação de alguns desses fatores pode aumentar ainda mais o risco do problema ocorrer, por isso é tão importante proporcionar uma alimentação saudável para as criançasrealizar atividades físicas com elas e se atentar ao histórico familiar. Esse cuidado pode ajudar a prevenir a doença não apenas na infância, mas ao longo da vida toda.

Quais são as consequências?

O desenvolvimento da condição pode levar a criança a sofrer uma série de efeitos colaterais — e isso não apenas durante a infância, mas ao longo de toda a sua vida, mesmo com o problema sendo tratado. Dentre as consequências da obesidade infantil, que podem dividir-se entre físicas e psicológicas, estão:

Consequências físicas

O excesso de peso pode afetar a criança fisicamente de diversas formas, fazendo com que ela tenha maior disposição ao desenvolvimento de:

  • Hipertensão (aumento da pressão arterial)
  • Dislipidemia (anomalia nos níveis de líquidos e/ou lipoproteínas na corrente sanguínea)
  • Doenças cardiovasculares
  • Problemas pulmonares
  • Distúrbios gastrointestinais
  • Problemas endócrinos (como o hipotireoidismo)
  • Problemas nos ossos e nas articulações
  • Alterações no sono
  • Amadurecimento prematuro, principalmente em meninas
  • Colesterol alto
  • Diabetes e outros distúrbios hepáticos

Consequências psicológicas

Como vemos nos adultos, a obesidade pode afetar muito o psicológico também, causando uma diminuição na autoestima, desânimo e até depressão. O mesmo acontece com a criança, que pode sofrer uma queda no seu rendimento escolar, se isolar, se sentir discriminada e, além do risco de sofrer com a depressão, ainda passar por transtornos que levam a outros problemas, como a bulimia e a anorexia nervosa.

Existe até mesmo a possibilidade de, durante a adolescência ou na fase adulta, a obesidade adquirida ainda na infância levar a um comportamento de risco, como o abuso de álcool, tabaco e outros tipos de drogas.

Como podemos ver, a obesidade infantil é um problema bem sério e por isso é fundamental se conscientizar e manter atenção constante ao desenvolvimento da criança. Mantenha práticas saudáveis com seu filho e não se esqueça de levá-lo a um nutricionista. Assim, você o influencia a ter bons hábitos durante toda a vida.

Quer se manter informado sobre o que há de melhor para seu filho? Então curta nossa página no Facebook e não perca nenhum conteúdo!