O primeiro a citar a teoria dos estágios foi o psicólogo suíço Jean Piaget, mas foi Sigmund Freud quem defendeu a tese que a sexualidade molda alguns comportamentos e começa a definir a desenvolvimento do ser desde a primeira infância.

Na época, essa percepção causou espanto na sociedade por sua pretensão corajosa e até mesmo vulgar. Entretanto, com o passar do tempo, ela foi sendo compreendida dentro das diferentes formas de se expressar a sexualidade. De acordo com Freud as fases da primeira infância são:

Fase oral: do nascimento ao primeiro ano de vida

A boca é o órgão que mais proporciona prazer à criança nessa fase, e isso justifica o fato de o bebê levar à boca tudo o que conseguir. É uma etapa onde a criança é totalmente dependente e a principal interação com o mundo externo se dá através da boca ao mamar e degustar o alimento — no caso, o leite materno. 

Segundo Freud, uma possível fixação nessa fase poderá ocasionar problemas de dependência e agressão quando adulto. O desmame na hora certa e ensinamentos sobre não morder pessoas e objetos ajudam a evitar a fixação na fase oral. 

Fase anal: de dois a quatro anos de idade

Nessa fase, começam as descobertas sobre o controle do processo de evacuação. É aqui que a noção de higiene fica clara na mente da criança e o desenvolvimento desse controle traz um grato sentimento de realização e independência. O mundo externo fica mais real com a noção de posse e com a compreensão do contato com aquilo que está fora do seu corpo. 

De acordo com Freud, uma abordagem branda por parte dos pais, poderá construir uma personalidade destrutiva, enquanto uma abordagem rigorosa demais ajudará a compor uma personalidade obsessiva. Por tais motivos, é importante ensinar o processo de higiene sem muito rigor.

Fase fálica: de quatro a seis anos de idade

A área genital começa a chamar a atenção da criança e ela apresenta comportamentos narcisistas. Ao conhecer as diferenças genitais entre sexos, surge o complexo de castração, pois imaginam que as meninas não possuem pênis porque esse órgão foi arrancado delas. Por isso, as meninas se sentem incompletas e com inveja do pênis.

Segundo Freud, essa é a fase em que aparece o Complexo de Édipo, onde o menino sente atração pela mãe e constrói uma rivalidade com o pai, enquanto a menina trilha o caminho inverso. É importante que os pais não alimentem essa rivalidade, nem mesmo em brincadeiras. 

De acordo com Sigmund Freud, para que na fase genital, que perdura durante toda a vida, o ser humano seja carinhoso e terno ao interagir com diferentes indivíduos, a primeira infância deve ser bem conduzida. Caso isso não aconteça, a tendência é que ocorram dificuldades comportamentais.

Além disso tudo, é sempre importante frisar que a teoria de Freud trata das descobertas da criança na primeira infância, e não do incentivo à erotização precoce. 

Quer continuar nos acompanhando nas redes sociais e recebendo ainda mais conteúdos? Curta nossa página no Facebook!