Sabe-se que a solidariedade é uma característica presente em pessoas felizes. Parece que o ser humano foi programado para contribuir com a vida dos outros, pois o corpo libera hormônios relacionados à felicidade quando realiza uma ação altruísta.

Continue a leitura deste post, saiba como essa habilidade pode ser desenvolvida desde cedo e aprenda mais sobre os impactos da solidariedade infantil no futuro das crianças!

Estimule a solidariedade infantil e a generosidade

Crianças que são incentivadas a desenvolver essa competência desde cedo apresentam inúmeros benefícios. Pelo contínuo contato com essa nobre habilidade, aprendem a se relacionar melhor com elas mesmas e com os outros.

Como elas estão acostumadas a dar em vez de cobrar, conseguem se destacar rapidamente na escola e no mercado de trabalho. A máxima “o que você dá para a vida é o que a vida vai lhe dar” não poderia representar melhor a realidade.

Crianças que são mais generosas apresentam níveis menores de agressividade e tendem a ter autoestima mais elevada ao longo da vida.

Confira abaixo ótimas maneiras para estimular essas habilidades desde cedo:

  • participe com o seu filho desde cedo de projetos sociais no seu bairro. Certifique-se de que a criança está participando e sentindo que está contribuindo;

  • estimule seu filho a ajudar outras crianças quando elas estiverem chorando, machucadas ou pedindo ajuda;

  • encoraje e elogie sempre que a criança praticar uma atividade caridosa;

  • ensine a criança a se colocar no lugar dos outros e a imaginar como ela se sentiria se estivesse passando pelo que os outros estão passando naquele momento;

  • valide os sentimentos do seu filho. Frases como “homem não chora” fazem a criança se desconectar dos seus sentimentos e, por conseguinte, não desenvolver esse tipo de habilidade.

Apoie seu filho a praticar o desapego

Estimular a criança a doar brinquedos que não usa mais é uma das melhores maneiras de encorajar comportamentos de generosidade. Uma opção muito recomendada é levar seu filho para o momento da doação para que ele possa ver a felicidade da outra criança ao receber os mimos.

A mesma prática pode ser realizada com roupas que já não cabem mais ou que não são mais utilizadas. Não se esqueça de que a criança deve fazer parte do processo de doação, pois é nesse momento que ela cultivará mais a solidariedade.

Saiba que o melhor ensino é o exemplo

A aplicação das dicas apresentadas até aqui terá resultados muito positivos no cultivo dessas boas virtudes. Porém, os efeitos serão muito reduzidos se os cuidadores da criança não viverem o que estão ensinando.

Uma comparação que podemos fazer é um casal de fumantes que ensina seus filhos a não fumar. Esse exemplo mostra — muitas vezes inconscientemente — que o que é falado não é praticado, e as chances das crianças repetirem o comportamento dos pais se eleva intensamente.

Por outro lado, o exemplo positivo tem o efeito desejado: estimula e passa a mensagem de que esse tipo de ação não é apoiada e não deve ser praticada.

São pequenas atitudes, colocadas em prática consistentemente e com dedicação, que podem trazer um futuro mais feliz e humanizado para os pequenos.

Agora que você descobriu todos os benefícios do incentivo à solidariedade infantil, compartilhe este texto nas redes sociais e para que cada vez mais pessoas fiquem por dentro do assunto!